quinta-feira, março 22, 2007

Máscaras

Docemente, a noite chega
E acalma meu coração…
Dispo-me das vestes do dia
Tiro a máscara que trazia
E adormeço…

Pelas brumas do sonho
Entre silêncios agonizantes
De uma intranquila consciência
Procuro os nadas indizíveis
Oiço murmúrios inaudíveis
Sinto-me perdida…

Cito de cor o que não me dizes
Fico ébria de desilusão
Entre lágrimas esquecida
Afogo-me num rio de mágoa
E acordo sobressaltada…

Não me quero iludir
Muito menos ficar conformada
Mas de ti já não espero nada!
E rejeito com convicção
Sentimentos de fachada
Amor de conveniência
Ou qualquer outra ingratidão.


Minda

Debaixo do Bulcão poezine
nº 29 Março 2007

metoscano.blogspot.com

2 comentários:

Debaixo do Bulcão disse...

Minda é o pseudónimo literário de Ermelinda Toscano. Como a autora não faz questão de manter a sua verdadeira identidade em segredo, resolvi juntar ao poema aquela foto, que fui "desencantar" num dos blogs antigos dela.
A foto vai sem indicação do nome d@ fotógraf@, porque isso é que eu já não consegui descobir...

António Vitorino

Artur Vaz disse...

Que extraordinário poema, enquanto houver poetisas como a Ermelinda Toscano, a poesia estará sempre viva e permanentemente na nossa vida.
Parabens ao autor do blog e a poetisa.
Do seu admirador e amigo
Artur Vaz