sábado, fevereiro 02, 2008

Um Carnaval

Vem ao baile vem ao baile
Pelo braço ou pelo nariz
Vem ao baile vem ao baile
E vais ver como te ris

Deixa a tristeza roer
As unhas de desespero
Deixa a verdade e o erro
Deixa tudo vem beber

Vem ao baile das palavras
Que se beijam desenlaçam
Palavras que ficam passam
Como a chuva nas vidraças

Vem ao baile, oh tens que vir
E perder-te nos espelhos
Há outros muito mais velhos
Que ainda sabem sorrir

Vem ao baile da loucura
Vem desfazer-te do corpo
E quando caires de borco
A tua alma é mais pura

Vem ao baile vem ao baile
Pelo chão ou pelo ar
Vem ao baile baile baile
E vais ver o que é bailar




Alexandre O’Neill
“No Reino da Dinamarca”
Guimarães Editores. Lisboa, 1958



(foto do autor copiada de
www.prahoje.com.br/bill/?p=287&cp=1)

Biografia e outros poemas deste autor:
www.astormentas.com/din/biografia.asp?autor=Alexandre+O%27Neill

6 comentários:

charroco disse...

viva amigo cheguei até ti através da "Alma De Pirata" dei uma volta aqui pelo pesqueiro e agradou-me .
votos de umbom carnaval ...

Madalena Barranco disse...

Olá António, esse poema de Alexandre faz de fato as palavras bailarem! Beijos. P.S. porque eu por aqui é o que faço no Carnaval: um baile de letrinhas bem longe de toda a confusão.

Debaixo do Bulcão disse...

Seja então muito bem-vindo, Charroco.

António Vitorino

Debaixo do Bulcão disse...

Madalena:

O Alexandre O'Neill é um dos meus poetas favoritos. Não tanto por este poema. Mas pareceu-me adequado.

Quanto ao Carnaval... Bem, eu nasci na terra do mais famoso e nem por isso sou grande fã dessa data.

Claro que, quando era mais novo, também brinquei ao Carnaval. Mas nesse tempo, mesmo aqui em Portugal, festejava-se de maneira mais "incivilizada": eram guerras de ovos, bombinhas de mau cheiro, etc. (Refiro-me ao carnaval urbano, aquele que conheci...)

Agora é diferente: é só balõezinhos cheios de água. Ficamos molhados, mas não faz mal.

Aliás, como se costuma dizer: é Carnaval, ninguém leva a mal.

Se for só esse tipo de coisas, está bem: ninguém leva a mal!

Beijos, e até depois de terça-feira.

António Vitorino

inominável disse...

mas não havia algo podre no reino da Dinamarca??? Já passou????????

Debaixo do Bulcão disse...

Aqui continua a cheirar a podre, inominável.

E de que maneira!

(Mas isto não é o Reino da Dinamatca, pois não?)